Análise de Imprensa – Junho 2019

Em junho os destaques foram as divulgações de diversos dados sobre educação: PNAD Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua), e a Pesquisa Internacional sobre Ensino e Aprendizagem (Talis, na sigla em inglês)

 

PNAD

A meta de alfabetização estabelecida pelo Plano Nacional de Educação para 2015, ainda não foi atingida. Segundo os dados divulgados pelo IBGE, a taxa de da população com 15 anos ou mais sem saber ler ou escrever, diminuiu de 6,9% para 6,8%, enquanto a meta de 2015 era de 6,5%. O G1 deu mais detalhes dessa pesquisa. O Estadão apontou que cerca de um quarto dos jovens brasileiros não trabalha e nem estuda.

Em entrevista para o UOL, Marina Águas, analista do IBGE, comentou sobre a meta de erradicação do analfabetismo até 2024: "O ritmo dessa redução vai depender das políticas públicas que forem propostas até 2024 para que as pessoas sejam alfabetizadas".

 

Anuário Brasileiro da Educação Básica 2019

O Anuário Brasileiro da Educação Básica 2019, uma publicação do Todos Pela Educação em parceria com a Editora Moderna, traz mais de 200 gráficos e tabelas com indicadores educacionais. A Agência Brasil destacou que o número de jovens de 15 a 17 anos cursando o ensino médio aumentou de 61% em 2012 para 68,7% em 2018. O UOL ressaltou a discrepância do valor de investimento por aluno nos municípios do país.

 

Talis

A Folha publicou uma matéria comentando um dos dados levantados pela Pesquisa Internacional sobre Ensino e Aprendizagem (Talis, na sigla em Inglês), que mostra que o professor brasileiro perde cerca de 33% do tempo em sala de aula com atividades administrativas e tentando manter a ordem.

Outro ponto que foi abordado pelo O Globo,  é que o salário dos professores brasileiros, foi considerado o pior dentre os países avaliados.

 

Novo indicador de educação

O portal UOL publicou o lançamento de um novo instrumento de avaliação da educação do país, no qual aspectos socioeconômicos, raciais e de gênero serão mensurados; o Indicador de Desigualdades e Aprendizagens (IDeA), elaborado pela Fundação Tide Setúbal. A BBC entrevistou Francisco Soares, ex-presidente do INEP e um dos principais responsáveis na criação do indicador: “Educação de qualidade para poucos não é educação de qualidade.”

 

Manifesto de Ex-Ministros da Educação

Alguns veículos noticiaram o encontro realizado por seis ex-ministros da educação, que ocorreu na USP – Universidade de São Paulo e divulgaram o manifesto no encontro. A Folha detalhou o documento e os posicionamentos dos ex-ministros.

“A educação precisa de certas garantias fundamentais e a autonomia dos professores e liberdade de cátedra são questões absolutamente inegociáveis", disse José Goldemberg para o G1.

 

FUNDEB

G1 noticiou o avanço nas discussões de um projeto que está em tramitação na Câmara e faz alterações no Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação).

Segundo a Agência Brasil  o Ministério da Educação propôs aumentar de 10% para 15% o repasse da União para o Fundeb, esse aumento ocorreria ano a ano, na ordem de 1%.

 

Além dos destaques acima, outros temas relevantes foram pauta da imprensa nacional, confira:

 

Pisa para escolas

A OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) aplicou o exame (Programa Internacional de Avaliação de Estudantes) em 70 países para avaliar a competência de estudantes de 15 anos em leitura, ciências e matemática. Segundo o G1, dentre as escolas brasileiras participantes, apenas quatro escolas públicas de São Paulo alcançaram notas melhores que as médias de países desenvolvidos.

 

Cotas raciais no ensino superior

O Valor noticiou um estudo realizado que aponta que entre 2012 e 2016, a Lei de Cotas fez com que o número de estudantes pretos, pardos e indígenas vindos de escolas públicas e que ingressaram em universidades federais, aumentasse em 39%. O estudo foi realizado pelo INEP (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) e traz comparações com outras políticas públicas de acesso à educação.